quarta-feira

Política

Discurso do Dep Rodovalho no plenário no dia 20/04/07

O SR. RODOVALHO (PFL-DF. Sem revisão do orador.) – Sr. Presidente, bom dia; Sras. e Srs. Deputados, bom dia; nossos assessores que nos auxiliam nesta manhã, bom dia; todos nossos telespectadores que nos assistem pela TV Câmara, aqueles que nos escutam pela Rádio Câmara, bom dia.

Primeiramente, quero parabenizar Brasília pelos 47 anos de existência. Brasília tornou-se uma capital para o nosso País realmente moderna, ágil, com a melhor qualidade de vida do Brasil, equiparando-se ao nível europeu; por outro lado, Brasília sofre hoje com grande parte de sua população alijada do processo social.

Aos 47 anos de Brasília, numa grande festa que será promovida pelo nosso Governo, Governador Arruda e Vice-Governador Paulo Octávio, teremos momentos de alegria, momentos de festa, inclusive com muitas bandas e cantores; porém, teremos uma parte de Brasília sofrendo, teremos uma parte de Brasília que não tem muito o que comemorar, devido ao desemprego, à falta de oportunidade de trabalho, de inserção social em relação aos aparelhos públicos, especialmente da Saúde e do transporte. Nosso Governo está tomando providências para corrigir isso.

Portanto, nesta manhã, quero parabenizar Brasília, lembrando, contudo, que há muito a ser feito. Brasília tem uma parte da sua população que vai alegrar-se, que vai sorrir, enquanto uma outra grande parte chora, sente-se alijada e desprotegida do processo de participação social.
Em segundo lugar, quero lembrar que protocolamos esta semana a Frente Parlamentar da Família e de Apoio à Vida com 260 assinaturas de Deputados e 10 assinaturas de Senadores.
A Frente Parlamentar da Família e Apoio à Vida nasceu para trazer à família brasileira o apoio necessário.

Sr. Presidente, levantamento do IBGE de 2004 para 2005 mostra que o número de divórcios concedidos no Brasil aumentou 15,5%, a maior taxa desde 1995. A Estatística do Registro Civil de 2005 revela que os divórcios foram sentidos nas Regiões Sudeste, Norte, Nordeste e Centro-Oeste gradativamente.

De acordo com a pesquisa, a média de idade dos homens que se divorciaram foi de 42,9 anos e das mulheres, de 39,4 anos de idade. Ou seja, são casais jovens.
Sabemos que, sem família, as crianças vão para as ruas. Crianças na rua tornam-se adolescentes delinqüentes que, por sua vez, serão adultos transgressores e depois marginais, deixando as cadeias e os cárceres lotados.

A família é a base da sociedade. A Frente da Família veio para lutar e exercer o papel fundamental de ajudar na formação da identidade do ser humano.

Ouvimos, nessas últimas semanas, a declaração do Ministro da Saúde, apoiando, infelizmente, o aborto, contra o qual a Frente da Família vai se posicionar. Acreditamos que a legislação atual protege os casos em que há risco de vida da mãe. Há proteção suficiente.

Entretanto, podemos dar às crianças que são geradas um futuro e uma esperança. Tirar um feto, Sr. Presidente, é um crime, e a Frente da Família posiciona-se contra isso. Existem milhares de casais que não têm a oportunidade ou condição de ter filhos biologicamente e teriam o maior prazer e satisfação de adotar uma criança. Por isso, propomos que, quando uma jovem desavisadamente ficar grávida, ela possa entregar seu bebê às autoridades para que um casal possa adotá-lo.

A Frente da Família nasce para lutar em favor da família, porque a esperança do Brasil é uma família estruturada e digna, que possa dar um futuro aos seus filhos.

Que nós possamos, no aniversário de Brasília, fazer com que tenhamos milhares de famílias estruturadas, dando apoio aos seus filhos. O futuro desta geração são as nossas crianças.

Muito obrigado, Sr. Presidente.

Deputado Rodovalho

Nenhum comentário: